Universidade Nacional De Educação À Distância 2

Universidade Nacional De Educação À Distância

A etnografia —também conhecida como “ciência do público”— é uma ciência social que estuda de modo sistemática, a pessoas e culturas. É um modo de investigação que consiste em perceber as práticas culturais dos grupos sociais e poder participar delas para dessa forma poder ver o que as pessoas dizem e o que faz. A antropologia, define a etnografia como “a fração da antropologia que se dedica a observar e relatar os aspectos característicos de uma cultura, essencialmente elementos externos”.

Também, a educadora Pilar Aznar manifesta que a etnografia podes ser acordada como “a descrição da cultura de um grupo humano ou de qualquer de seus aspectos”. Para o sociólogo Anthony Giddens, a etnografia é “o estudo direto de pessoas e grupos, durante um correto tempo, usando a observação membro ou a entrevista para notar seu comportamento social”. Gravando uma imagem realista e fiel do grupo estudado; o serviço de campo é uma ferramenta imprescindível.

A busca etnográfica tenta mostrar os significados que sustentam as ações e interações que constituem a realidade social do grupo estudado; isto se consegue mediante a participação direta do pesquisador. Com freqüência, o investigador assume um papel esperto em tuas atividades cotidianas, visualizando o que acontece e pedindo explicações e interpretações sobre isto as decisões, ações e comportamentos. Os detalhes coletados consistem pela explicação densa e detalhada de seus costumes, crenças, mitos, genealogias, história, linguagem, etc. Jaime Botello manifesta que a etnografia é “o hábitos de vida de um grupo de pessoas habituadas a viver juntos”. Portanto, todo o tipo de grupos é sujeito de estudo: prostitutas, mendigos, supermilionários, políticos, estudantes, etc.

Um dos defeitos que cada investigação enfrenta é definir o tipo de metodologia a empregar-se um segredo qualitativo, ou um processo quantitativo. Por extensão, o termo ‘etnografia’ também é usado para denominar a obra escrita uma vez finalizado o trabalho de campo. Exemplos clássicos, e em alguns casos literários, são os trabalhos etnográficos de Bronislaw Malinowski (Os argonautas do Pacífico Ocidental, 1922) e Evans-Pritchard (Os Nuer).

Seguindo com Anthony Giddens; a etnografia, quando tem sucesso, fornece uma informação sobre a vida social bem mais rica do que a maioria dos outros métodos de investigação. Uma vez que sabemos como se vêem as coisas de dentro de um acordado grupo, é viável que alcancemos uma sabedoria mais profunda de por que certas pessoas agem de uma forma instituída.

  • Televisa Toluca
  • Funcionamento do curso
  • 7 Uma fábrica que economiza energia e matérias-primas
  • 8 Escolher a hospedagem do teu web site
  • Igreja e torre de Castaras
  • vince e seis Cultura e apreciação musical VIII do Departamento de Música da UAA
  • Moderar comentários

Também desejamos compreender mais a respeito os processos sociais que se sobrepõem com a situação que estudamos. Com freqüência se considera que a etnografia é um tipo de procura qualitativa, já que lhe preocupam mais com as interpretações subjetivas que os dados numéricos. A etnografia também fornece ao pesquisador superior versatilidade do que outros métodos, já que lhe permite ajustar-se a circunstâncias outras e inesperadas e usufruir as oportunidades que possam surgir ao longo do estudo. Não obstante, o trabalho de campo também tem grandes limitações: apenas podem ser estudados grupos ou comunidades relativamente pequenas, e quase tudo depende da jeito do pesquisador pra receber a firmeza dos indivíduos que pretende entender. Sem esta competência é muito improvável que a procura possa sair adiante.

você Também pode decorrer o oposto, ou melhor, que o pesquisador se identifique tanto com um grupo que, ao tornar-se quase em um “membro” de ele perder a probabilidade de um observador externo. É sério fazer uma distinção entre etnologia e etnografia. O que, por tua vez, nos diz, implicitamente, que é necessária a etnografia para poder gerar interpretações e explicações, que assim converterá a etnologia pela teoria. Um dos instrumentos utilizados pelos antropólogos para a arrecadação de fatos são as histórias de existência. A etnografia usa histórias semelhantes às utilizadas nas entrevistas de profundidade. Começa-Se com o que lhe dá confiança ao informante pra construir uma ligação de empatia. São entrevistas “cara a cara” entre pesquisador e informante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima