"Teria Sido Uma Passada Aprender Matemática Simplesmente Lendo Uma História Em Quadrinhos Ou Um Manga" 2

“Teria Sido Uma Passada Aprender Matemática Simplesmente Lendo Uma História Em Quadrinhos Ou Um Manga”

Nesta ocasião, temos o prazer de entrevistar Pedro Martinez Ortiz @maths4everthink, licenciatura em Matemática, licenciatura em Ciências e Técnicas Estatísticas, doutor em Matemática Aplicada e doutorando em Didática da Matemática. Trabalhou como pesquisador e docente durante anos e hoje em dia é professor pela IES Macià Abela. A tua angústia pela divulgação o levou a desenvolver o site Maths4everything. Este website pretende aproximar a matemática e ressaltar a sua importância no mundo e no nosso cotidiano. Nela podemos achar muitos recursos, diferentes metodologias e o acesso a diferentes projectos em que anda envolvido como Emocionar com Matemática em que o universo dos quadrinhos está muito presente.

Eu Sou o Seu Professor. Pois surgiu, basicamente, por incalculáveis motivos. Por um lado, queria começar a fazer os meus primeiros passos no universo da divulgação. Queria fazer visualizar às pessoas que visitou o site, e que as matemáticas são muito relevantes em nosso universo, e que vão muito e também uma cadeira a que a diversos se lhes vários ritmos. E, por outro lado, bem como sentia a inevitabilidade de falar sobre este tema o meu serviço com aqueles professores, alunos e curiosos que desejavam comparecer.

Muitos companheiros e companheiras me diziam que era uma pena que o resto de docentes que não possam fazer uso de meus equipamentos e que deveria plantearme hacérselos voltar de algum jeito. Eu pensei que um web site seria a melhor forma de incorporar as duas motivações. YSTP.- Você compartilha recursos, experiências, metodologias,… P. M. – Me proporcionaram, principalmente, 3 coisas. Em primeiro ambiente, ver pessoas sérias do mundo da docência, a divulgação e a investigação.

Em segundo ambiente, tem feito o possível pra assimilar coisas que de outra forma não teria tido a oportunidade de entender. E, finalmente, permitiu-me para contribuir com outros profissionais de ensino e educação em projetos com os quais eu gosto muito. Também me deu a oportunidade de fazer parte de um fantástico grupo de professores inovadores (que neste instante são grandes amigos): a agregação INNODUCATION.

Juntos, realizamos no dia vinte e oito de abril, a jornada INNODUCATION MÚRCIA, uma jornada de oficinas onde a nossa motivação é alavancar a inovação em sala de aula a partir de uma perspectiva de “ensino pra professores”. Em suma, a divulgação, o meu web site e a identidade virtual que vai ligada a ela me fez desenvolver-se em vários estilos, em tal grau pessoal como profissionalmente. YSTP.- Tenho porque combinar matemática com o personagem no projeto “Mathland”, o

P. M.- “Mathland” é uma ideia que, mesmo que não o pareça, leva comigo desde há já mais de 20 anos. Eu a todo o momento fui um nerd de anime e ánime. Quando jovem, me encantam matemática e desenhar. Então, quando comecei a preparar-se a licenciatura de Matemática da Universidade de Coimbra, aconteceu-me que teria sido uma passada assimilar matemática simplesmente analisando uma história em quadrinhos ou um mangá.

YSTP.- Você descobre que este tipo de atividades são capazes de acrescentar o interesse na matemática? P. M. – Acho que podes estimular mais alunos. Está provado que só se aprende de verdade aquilo que nos emociona. O conhecimento passa antes por um filtro emocional, que é o que nos empurra para mantê-los em nosso cérebro ou montar habilidades pra poder reproduzir o entendimento.

  • 2003-2007: A New Day… show em Las Vegas[editar]
  • Internet se come a maçã
  • Instagram e Spotify, mídias sociais, com corda pra sair
  • Fotos e imagens
  • Criar cartazes, folhetos, apresentações, brochuras ou calendários publicitários
  • quarenta e cinco h cede a expressão ao presidente do COI, Jacques Rogge

Então, eu sempre tento entusiasmar e emocionar em minhas aulas com atividades manipulativas, extravagantes e/ou que usam outras ferramentas, como é o caso do manga “Mathland”. YSTP.- Com conexão ao futuro, P. M. – Essa é uma pergunta um pouco complicado. Poderia expor-lhe como eu gostaria que fosse, todavia eu não entendo se, no futuro, virá a tornar-se realidade. Se analisarmos um tanto a atualidade, vemos que, sempre que a tecnologia, a comunidade e a vida progridem exponencialmente, nas salas de aula, esses progressos são introduzidas a uma velocidade preocupantemente lenta. Teria que mudar muitas coisas e almejo que, insuficiente a pouco, desse jeito seja.

Por onde teria que começar? YSTP. – Você acha que as redes sociais conseguem potencializar a interação e o diálogo entre professor/a e aluno/a? P. M. – Sim, acredito. As mídias sociais, desde que sejam utilizadas de forma correta, são uma enorme vantagem que hoje em dia têm os nossos alunos e alunas e que (infelizmente), minha formação não conseguiu retirar proveito.

Eu utilizo as mídias sociais, contudo as emprego pra promover o meu trabalho, anunciar, dizer, socorrer e estudar. É um absurdo, hoje em dia, imaginar que um professor ou professora só pode explicar em sala de aula, existem muitos outros espaços (como os virtuais). A mim têm-me ajudado a melhorar as relações com os meus colegas, com outros professores e profissionais e com o meu ex-alunos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima