Medicina Tradicional Chinesa 2

Medicina Tradicional Chinesa

A medicina tradicional chinesa se baseia no conceito de chi (energia vital) equilibrado, que acredita-se que percorre o corpo humano da pessoa. Aqueles que praticam esta medicina propõem que o chi regula o equilíbrio espiritual, emocional, mental e físico, e é afetado por forças opostas do yin (energia negativa) e yang (energia positiva). De acordo com a medicina tradicional chinesa, a doença acontece quando se altera o fluidez do chi e acontece um desequilíbrio do yin e do yang. Os componentes deste tipo de remédio compreendem fitoterapia e dietoterapia, exercícios físicos, meditação, acupuntura e massagens reparadores.

É considerada uma das mais antigas maneiras de medicina oriental, termo que engloba também as algumas medicinas da Ásia, como os sistemas médicos habituais do Japão, da Coreia, do Tibete e da Mongólia. Atualmente, a medicina usual chinesa está incorporando numerosas técnicas e teorias da medicina baseada em evidências na sua práxis, em especial aqueles tipos de exames diagnósticos sem características invasivas.

  1. O linho (óleo de linhaça)
  2. As bordas das pálpebras são inteiramente pigmentados
  3. Penso Summum
  4. Um colar e uma placa com o seu nome
  5. Xofrango, Falco columbarius
  6. A frase cemitério vem do grego koimetirion que significa dormitório

Observar o paciente com atenção. Perguntar sobre o histórico do paciente. Fazer a tomada do pulso (pulsología —tomam-se três diferentes pulsos em cada boneca—). A partir da dado recolhida desta forma, o terapeuta, é montado um diagnóstico, utilizando como referência um sistema pra catalogar os sintomas divulgados.

A ligação dialética e de feedback do Yin/Yang. A Wu Xing ou Teoria dos cinco Elementos. Os Oito Princípios do Ba Gua. A doutrina zang-fu, a doutrina dos órgãos (zang) e as vísceras (fu). Os meridianos ou canais -ou king de chi ou qi (energia). Os PA (pontos acupunturales) ou xue.

Tomada do pulso da artéria radial do paciente em seis posições diferentes para avaliar o corrente de energia em cada meridiano. Observação da face do paciente. Observação do estilo dos olhos do paciente. Observação do semblante da língua do paciente. Observação superficial dos ouvidos do paciente.

Escuta concentrada do som da voz do paciente. Palpação do corpo humano do paciente, essencialmente do abdômen. Comparação da temperatura em inúmeras partes do corpo do paciente. Verificação da veia do dedo como indicador em criancinhas pequenas. Em geral tudo aquilo que possa ser percebido, sem uso de instrumental que possa ferir o paciente, como ter uma discussão, detalhando o paciente uma definição atual de tua saúde e os seus problemas mais relevantes.

Para trabalhar com os sistemas diagnósticos da medicina tradicional chinesa, é preciso construir a perícia de observar aspectos sutis, para poder cativar os estilos do paciente, o que lhe escapam à observação da maioria das pessoas. Ainda mais, o diagnóstico na medicina habitual chinesa usa os métodos de diagnóstico baseados em evidências pra avaliar o que ocorre com os pacientes. Segundo a medicina tradicional chinesa, as doenças internas têm como causa desequilíbrios internos, como, a título de exemplo, as emoções e a falta de descanso. Sinais clínicos observáveis de modo objetiva (face, língua, pulso).

Sintomas: é um sinal manifestado pelo paciente e de acordo com a tua compreensão subjetiva. Síndromes: são conjuntos de sinais e sintomas. Calor no sangue. Acumulação de fluidos do corpo humano (edemas, etc.). Aglomerado de Tão (expectoração e outros resíduos). A deficiência de Jing pré-natal (Céu anterior). A deficiência de Jing pós-natal (Céu posterior). Insuficiência ou colapso de Yang.

Insuficiência ou colapso de Yin. Sobre tudo do último grupo. A título de exemplo: o vento-frio, calor-umidade, vento-calor-secagem, tão-fogo, calor acima-gelado para nanico, estagnação de sangue por calor no sangue, etc., Baço e pâncreas – Preocupação. Tui na ou tuina. Fitoterapia chinesa ou matéria médica chinesa (inclui plantas, minerais e animais). A auriculoterapia (acupuntura na orelha) – A moxabustão. O martelo de sete pontas ou ‘flor de ameixeira’. O intuito dessas técnicas é ativar o fluência de energias e de sangue dentro dos meridianos, reduzir a agonia e ajeitar disfunções e bloqueios “energéticos” que provocam a perda da saúde. A fitoterapia chinesa é um ramo muito essencial da MTC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima