Kilian Brasil "O Everest Se Dramatiza Demais" 2

Kilian Brasil “O Everest Se Dramatiza Demais”

O campo apoio de Kilian Brasil foi transferido, essas primeiras semanas de janeiro, a Escandinávia, a alemanha, Andorra, onde se prepara pra Copa do Mundo de esqui de montanha que vai começar no próximo sábado na estância de Vallnord. “A montanha é bem mais selvagem da Noruega, do que nos Alpes ou os Pirinéus. Ademais, a meteorologia é mais dura, poderá estar a 3 semanas, com ventos fortes e nevando muito”, ela refletiu na segunda-feira, depois de terminar uma sessão de esqui em Ordino. Como é a vida na Noruega?

Vivemos em uma moradia perto da aldeia de Andalsnes, na província de Romsdal. Pela manhã, treino umas quatro ou 5 horas, no inverno prontamente é o suficiente, neste momento temos só seis horas de iluminação. Temos um em residência, numa parede de 3,5 por 2,5 metros, e o povo há outro superior.

à noite eu amo de ler e a fotografia. Eu também montou uma pequena oficina onde trabalho com o instrumento, design coisas novas. Você cria protótipos que usará pela montanha? Sim, irei modificando peças, outras das acho eu e os outros me são enviados pra testes. Ideias tenho várias, no entanto depois há que encontrar a forma de fazer os protótipos.

Não entendo fazer as coisas lentamente e trabalhar com carbono requer tempo. A velocidade e a leveza exercem fração do ADN nesse corredor e esqui de montanha, que adquiriu tudo em ambas as especialidades desportivas. Sua filosofia a aplica ao grau do mar e a mais de 8.000 metros de altitude.

O passado mês de setembro, o elevado traço de deslizamentos de terra levou-o a adiar a tua tentativa de coroar os 8.848 metros do Everest. Apesar de o verão, em plena monção, não é o melhor de sempre momento pra entrar no teto do universo, este 2017 voltará no decorrer das mesmas datas. O que entendeu de teu primeiro Everest? O que mais me surpreendeu foi o calor que fazia ao longo do dia. Eu estava a 8.000 metros, sem luvas!

Ia com umas malhas, uma camiseta de manga longa, um soft shell jaqueta elimina-vento) finito e pela mochila um par de goretex, um marcador, um boné e duas luvas. A experiência foi muito sensacional. Com meus colegas (Jordi Tosas, Seb Montaz e Vivian Bruchez), ficamos um mês completamente sozinho, com a independência de nos erguer todas as manhãs e fazer o que queríamos.

E pudemos pesquisar que, como este os Alpes e os Pirinéus, é preciso ter a mínima infra-suporte: não tivemos que montar um campo de altura, cada dia dormíamos no acampamento base, a 6.000 metros. Se você estiver minimamente forte numa jornada poderá salvar uma altitude de 2.000 metros, você tem tempo de subir, desfrutar das vistas, tomar sol e descer pra dormir. Claro que a doze ou a uma do meio-dia, chegavam as tempestades, alguma nos pegou, todavia se você estiver em forma de tiras pra miúdo.

Quantos upgrades fez durante esse mês? Subi 6 ou sete vezes a 7.Duzentos metros, a 7.600, dois a 7.700 e outra a 8.000 metros. Também coroné o Changtse (topo de 7.583 metros perto ao Everest) e outro pico de em torno de 7.000 metros. Enquanto lembra os dados da tua Everest pela face norte (Tibet), sem oxigênio e sem cordas, pesquisa no teu celular, fotos de as vias por que ascendeu, que tem bem documentadas no teu bloco de notas. Em qualquer um dos caminhos que realizou saiu com a intenção de entrar ao topo ou eram para se aclimatar e entender o terreno? Queríamos abrir uma rota nova para a direita da rodovia dos russos.

  • Se repetirá duas vezes a medição durante um minuto e será calculado o valor médio
  • Wendy Vanessa diz
  • 4 Boxe, a Arte e a cultura popular
  • um iogurte sabor
  • Água, mate, chá verde
  • Apoia tuas mãos sobre isto uma cadeira estável, uma mesa ou um banco plano, de costas pra cadeira
  • 6 Século XX e século XXI
  • Registado: 03 ago 2007

Na tentativa, a 7.600 metros, veio uma tempestade e tivemos que buscar um caminho pra apagar e outra vez, a 7.Quatrocentos metros, havia a deslizamentos de terra. O dia que cheguei 8.000 metros prontamente era consciente de que não conseguiria pisar o cume, também por causa dos deslizamentos de terra, mas eu tentei. Sabia que, se chegasse uma tempestade podia descer rapidamente, em 2 ou de três em 3 horas, de 8.000 metros, até o campo base, desse modo que apurava. Mas cada noite mal tínhamos tempo. Não é a época impecável, no entanto se a China nos dá as permissões, voltaremos em agosto.

Evidentemente é melhor na primavera em razão de há pouca neve e você não precisa abrir rastreamento, porém você não poderá estar só, que é o que pesquisamos. O prazeroso do verão é que faz calor e você pode se mover veloz e com insuficiente peso, mas se depara com o risco de deslizamentos de terra por neve. O Everest tem 1 mil caras. “lembra escapándosele riso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima