Jesus Gil: Jesus 'Moby' Gil, Uma "idiota Parda E Corrupta", e Não Um Ícone Pop 2

Jesus Gil: Jesus ‘Moby’ Gil, Uma “idiota Parda E Corrupta”, e Não Um Ícone Pop

Quando morreu, com a idade de 71 anos, tinha um currículo abundante em dislates e patochadas. Podiam os seus ares de grandeza e, além disso, era cômico e trapaceiro. Entrou para a política com as mesmas pretensões com que anos atrás havia chegado a tv e bastante antes, o futebol de primeira.

No futebol, conquistou a presidência do Atlético de Madrid, um cargo que alternou com o do homem de negócios ao velho tipo dos presidentes como Núñez ou Ruiz de Lopera, Mendoza, Roig, deixou o comando ou Lendoiro. Quase todos eram reis do tijolo e cultivavam a concorrência entre si. Jesus Gil reinava onde podia com poder endogámico e nepotista, de mandeira descarada caprichoso.

  • Porque eu atendi na primeira vez ao telefone sempre que desenhava a obra de busch e Zape
  • Mensagens: 8.454
  • dois Marido e pai
  • Fila litúrgica de chacal, que com o tempo se transformou em “cauda de touro”
  • As técnicas de navegação transoceânicas

Tirava e colocava treinadores e jogadores de futebol como se nada, mas além de tudo, tirava e colocava familiares no comando da caixa, o posto mais cobiçado. Jesus Gil vinha do futebol e da organização. Entre um e outro é entangled com a tele, que haveria de tornar-se um de seus brinquedos favoritos. No começo, foi fiel às suas origens, todavia, andando o tempo, acreditou-se que era a reencarnação do Rei do mambo e não queria que ninguém lhe fizesse sombra. Nascido no Burgo de Osma (Sória), estudou em um colégio religioso, e, a despeito de logo se sentiu inclinado a cursar Ciências Econômicas, abandonou a carreira pra ser colocada em uma loja de peças de carros.

Devia ser carpinteiro, já que foi crescente até se tornar um aspirante a miliardário. Esse papel cometeu todas as golferías possíveis e impossíveis, principlamente ao longo dos anos correspondentes à sua época marbellí, quando forjou a tua lenda de mafioso e visionário. A biografia de Moby Gil (o apelido com que expressei meu desdém resultou em sucessivas stress de grande projecção mediática. Tudo o que fazia ou dizia Moby Gil ia à missa e era recolhido já nos meios de intercomunicação.

Não tinha jornalista que não lhe requisitar uma entrevista. Gil e Gil gostava de berrar, isolar, dar lições de superioridade e colocar o verde a o mundo todo. Sua veia atrabiliaria fez dele um protagonista transbordante e asalvajado: quer dizer, uma autêntica idiota parda. A popularidade veio graças ao Tele 5, a cadeia que lhe ofereceu pra estrelar um programa intitulado As noites de tal e tal, onde sua mismidad adquiria um papel de fato berlusconiano: era ‘sandiós’. Não se maquillaba nem sequer vestia ternos italianos, e também não se tintava o cabelo nem usava camisas de palmeiras estampadas.

O que é seu a todo o momento tinham sido as guayaberas brancas. Era um ricacho ao emprego, um desses homens que usavam tripa e frases grossas correntes de ouro, para a pesca nos pelos do peito e moças de hostess. No programa de Tv cinco Jesus Gil se banhava numa jacuzzi com um ramalhete de “mamachichos”, espécie de audiência que lhe dançavam a água, durante o tempo que ele, feliz e despatarrado, chapoteaba alegremente com elas. Ver Jesus Gil mergulhando-se no jacuzzi com todo o teu tonelagem às costas, era como visualizar Moby Dick transbordante do Oceano Pacífico. O presidente desportivo lúcia um traje de banho espaçosa, primo-irmão do que anos atrás havia lucido Fraga no ilustre banho de Pombais.

O da Tele cinco constituiu o prólogo glorioso de uma época em que se multiplicará a corrupção e a política tomava desvios documento e suas pretensões fossem. Jesus Gil confundiu Marbella com uma fazenda de tua propriedade, onde fazia e desfazia a seu desejo. Uma das primeiras burrices que testemunhei foi a aprovação de um PGOU (Plano Geral de Ordenação Urbana) com a nocturnidad e a traição que exigia o caso.

Eram as doze da noite, e o prefeito Gil deixava muito claro que empunhava o bastão de comando. O malandro e seus palmeros (Pedro Román, João Antonio Rocha, Marisol Yagüe, etc) estrenaban, desta forma, a sua maneira específico de cometer excessos. Depois veio todo o resto. Corrupção e abusos são aconteciam sem descanso.

A melhoria de Jesus Gil correu paralela à de seus pupilos, que geralmente delegadas as assinaturas que possam comprometerle e, desta forma, salvar a pele. Gil se livrou de tudo o que não puderam livrar-se de seus vereadores. Alguns pareciam mais espertos do que os outros, no entanto ambiciosos eram todos.

Uma das peculiaridades de Gil e Gil foi a tua inteligência geoestratégica. Para dominar: sabia situar-se bem no mapa, daí que nunca tomasse posse do gabinete da prefeitura. Preferia trabalhar e ganhar em teu escritório peculiar, onde o controle dependia dele. Também os jornalistas nos obteve em seu escritório privado (que não era oval).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima