A emoção Vence A Razão No Brasil 2

A emoção Vence A Razão No Brasil

Vivemos pela era do entendimento, da justificativa, do progresso tecnológico e, contudo, parece que a política está, mais do que nunca, influenciada pelas paixões. Já comentou Erasmo de Rotterdam, no século XVI, que “não existe espaço para a causa, ali onde tudo segue o ditado das paixões”.

E quando as emoções dominam a política, a tendência é a polaridade. E neste local no Brasil é uma coisa que se está lendo de uma maneira muito clara. O sentimento produz uma resposta impulsiva, não racional e, assim, improvavelmente controlável. E, uma vez praticada essa resposta nós usamos a desculpa para justificarla.

A principal emoção que modula a conduta humana é o susto. Um medo que nos leva a muitas respostas de colapso, fuga ou luta. Uma guerra que, por meio ambiente, estará carregada de raiva, em razão de nos permitirá otimizar os nossos recursos de defesa. Ou uma fuga que impossibilita qualquer combate. Há um curioso serviço de Kanai R. e outros sobre as orientações políticas de adolescentes relativo com as estruturas cerebrais, atingido alguns anos antes do aparecimento destes movimentos de extrema-direita.

  1. Link quatro
  2. Análise de palavras-chave
  3. dez tribos africanas que não vi
  4. Jogos eletrônicos na educação

E vem a notar que os progressistas têm uma superior ativação no córtex cingulada anterior que auxílio a processar sugestões complexas e relacionadas. E os conservadores têm uma amígdala direita anterior de superior tamanho. Uma suporte que se ativa pela elaboração das respostas emocionais. Os conservadores tendem a ser mais concretos, hierárquicos usuais, são capazes de chegar a ser autoritários, produzem maior coesão social e podem retirar evidências que contradigam tua ideologia.

Personificam a segurança, a afirmativa e a sequência. Ao ter a amígdala direita mais criada são mais suscetíveis de constatar pavor, em razão de a sabedoria de ameaça é maior. Ao não ter a casca cingulada anterior tão formada é mais complicado preservar o equilíbrio interno, sem aderir a respostas ideológicas descomplicado.

Normalmente costumam ter respostas fáceis e eficientes, no entanto bem como conseguem estar afastado da realidade, visto que seu único objetivo é resistir às transformações sociais e preservar-se na ordem social já definida, sem questionar. E, no caso de colocá-lo em perigo o seu pânico podes transportar a uma maneira autoritária para preservá-la.

Paradoxalmente, parece que estes movimentos de extrema-direita que tanto temor dão são alimentados por seu próprio susto. Eles são muito suscetíveis a essa emoção e reagem rapidamente a ela. A pergunta é, o que tem medo quando é óbvio que parece que não têm pavor de ninguém? Porque é penoso esclarecer essa visceralidad tão radical para diminuir propostas que simplesmente vão contra suas crenças. Esse ataque de ira, de ódio, só se deve oferecer no momento em que se percebe um traço real para a tua integridade e, desta maneira, você ativa a resposta emocional do pavor.

Alguém com medo poderá entrar em colapso, dar no pé ou atacar. Só pensa em atacar no momento em que se perceber apoiado e, sendo assim, protegido. O que é deslumbrante é que esses movimentos usam um tipo de engenharia emocional pra motivar, organizar e canalizar a frase de um grupo de pessoas a começar por uma expectativa concebida, ou quanto menos manipulada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima